Abrir Empresa Individual

Vendas e marketing de mãos dadas. Sucesso na certa!

Publicado em 08/05/2017 às 10h19

cabeleireiroVocê pode terceirizar a produção, a contabilidade, a logística e por aí vai, mas as vendas, não, não, não! Até um cabeleireiro, que é o tipo de empresa que não tem “aparentemente” linha de produção, tem que ser diariamente um vendedor do seu serviço. Mesmo que terceirize o marketing, contratando uma consultoria por exemplo, tem que ser fortemente responsável por ver se as vendas estão alinhadas com o seu marketing. Se não, qualquer investimento que fizer, não vai funcionar.

Vendas e Marketing são predominantemente dois dos aspectos mais importantes para qualquer negócio mas em geral os empreendedores separam isto – não o faça!  Fazer vendas e marketing andam de mãos dadas.

Vendas é uma parte integrante do termo guarda-chuva: marketing. Embora sejam de espécies diferentes, vivem no mesmo habitat natural.

As vendas começam no marketing, quando estão ambos alinhados.

O marketing analisa e vê qual o problema que está ocorrendo nas vendas.

Vamos dar um exemplo, voltando ao cabeleireiro. Se ele tem muitos clientes mas que só aparecem a cada 15 a 20 dias, precisa trazer para a visitação semanal, para estabilizar e fortalecer o seu faturamento.  Tem que fazer com que a ação que vai ser feita ou o produto que vai estimular seu cliente, faça com que o cliente tenha a compreensão da necessidade do produto que ele vai criar. Imaginemos que seja algo que estimule o cliente a ir toda semana - ele tem que dizer que é para que o cliente mantenha a beleza, a aparência, a qualidade de vida do seu cabelo ou do que for, em cada caso. Aí este produto que ele vai criar, vai dar certo, fará sentido na cabeça do cliente.

O marketing estudará a viabilidade desse produto nesse mercado, decidindo a estratégia para colocar esse produto.Tudo isso é ainda tarefa do marketing e está no âmbito do marketing. Qualquer passo seguinte vai ser do território de vendas, que inclui colocar o produto nas mãos do cliente – isso ocorre explicando o produto ao cliente, seduzindo-o para realmente aderir ao que for proposto ou entregue. E, depois, fazer o pós-venda, trabalhando no feedback dos consumidores finais e (se necessário) alterando a ação de marketing ou ajustando-a.

Marketing inclui "estratégia" que definiu o maior problema e criou um produto para solucioná-lo, e a elaboração das peças de comunicação, mas a equipe de vendas deverá ser treinada para “vender” o produto e deixar o material de marketing disponível para as pessoas verem! Isso significa colocar cartazes, distribuir panfletos, e conversar sempre o cliente sobre o que fazer no seu cabelo, nas suas mãos e pés, na sua barba, enfim, nos aspectos de aparência do cliente, para estimulá-lo a vir toda semana cuidar de alguma coisa importante de sua aparência.

O treinamento da equipe de vendas – que, no caso do cabeleireiro, são os colaboradores - cabeleireiros, manicure, maquiador, e outros – fará com que as vendas e o marketing, de mãos dadas construam e consolidem a campanha. Daí o sucesso é certo!

Categoria: Marketing, Vendas
Comentários (0) e Compartilhar

Empreendedorismo segue crescendo apesar da crise

Publicado em 27/04/2017 às 11h13

Quando analisamos os aspectos culturais e a dimensão territorial de nosso país, podemos ter uma ideia da força da economia brasileira em diversos setores, algo que garante mais empregos e mais independência financeira a todos que desejam ser donos do seu próprio negócio.

O empreendedorismo cresce no Brasil mesmo diante da atual crise financeira e da falta de investimentos por parte dos empresários, que costumam agir com maior cautela quando as perspectivas do mercado são desfavoráveis para o aumento da produção e a busca por parcerias comerciais.

Hoje, vamos entender um pouco sobre o crescimento do empreendedorismo no Brasil e descobrir quais são as áreas mais interessantes e lucrativas para investir de acordo com a realidade do cenário econômico nacional. 

Empreendedorismo no Brasil

O Brasil é um país privilegiado se pensarmos nas possibilidades de negócios que garantem ao nosso país uma exclusividade mercadológica frente ao cenário internacional.

A agricultura, a pecuária, o turismo e os setores industriais e de serviços crescem mesmo em meio à crise e isso motiva o empreendedorismo no Brasil, principalmente quando consideramos questões como a criação de novos postos de trabalho e a competitividade, que obriga as empresas a melhorarem cada vez mais a qualidade de seus produtos e serviços.

Em suma, o empreendedorismo no Brasil é constante, é forte e está cada vez mais fortalecido graças ao preparo dos empreendedores, que buscam capacitação por meio de cursos e que conquistam maior credibilidade no mercado justamente por essa preocupação com a solidez de seus empreendimentos através de práticas mais assertivas, planejadas e sustentáveis.
Crescimento do empreendedorismo no Brasil

Uma pesquisa realizada em 2015 pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e patrocinada no Brasil pelo Sebrae, revelou que de cada 10 brasileiros, 4 são empreendedores ou estão envolvidos com algum tipo de negócio (sócios, investidores, franqueados), seja direta ou indiretamente.

Segundo a mesma pesquisa, em 2015, a taxa de empreendedorismo no Brasil foi de 39,3%, a maior desde 2002, quando o país atingiu o índice de 20,9% quanto ao número de empresas em funcionamento em todo o seu território, o que já era uma variável alta em comparação com outros países, principalmente aqueles que possuem as maiores economias do mundo.

Esses demonstrativos ajudam a compreender como o empreendedorismo no Brasil cresceu na última década e mostram que quase a metade da população brasileira está engajada com as atividades empresariais, principalmente nos setores de prestação de serviços e da terceirização.

Fonte: DINO (Barueri, SP)

Comentários (0) e Compartilhar

O brasileiro volta a empreender!

Publicado em 24/03/2017 às 11h44

 

O desemprego está ganhando impacto violento nas famílias e as pessoas percebem que - como se diz aqui, "ou vai ou racha". Aí, como empreender está na veia, o brasileiro sempre acaba considerando a possibilidade de abrir negócios. Fazer bolo caseiro, comprar produtos nas áreas de comércio de baixo preço (como Pari, Brás, Bom Retiro em São Paulo) e revender, parceirizar-se com alguém que já esteja com bases garantidas - como um escritório, uma unidade produtiva ou uma equipe comercial, tudo vale para dar o primeiro passo. Atente, porém, para o ritmo e a disciplina. A dança de Zorba o Grego é uma imagem relevante para não esquecer do essencial.

Disciplina: banco de dados

Ela tem uma disciplina - bate a mão no pé, vai para a frente e vai para trás, dá os passos na lateral. Isso significa que é fundamental manter o negócio caminhando de uma certa forma essencial. E o que é essencial em qualquer negócio? O banco de dados. O primeiro banco de dados é o de clientes. Cadastre seus clientes, no mínimo com nome, endereço, email, anivesário, contatos tipo Messenger ou Whatsapp, Facebook. Depois complique mas, no começo, pelo menos isso. Se não, o ritmo não acelera. O que faz uma empresa crescer é, sobre o cliente conquistado, crescer, crescer, e construir um relacionamento de longa duração. Mas se você nem sabe o nome completo dele, não tem o email dele, não tem a data de aniversário, como vai começar este relacionamento?

O segundo banco de dados fundamental é das vendas. Relatórios registrando vendas (quantidades, produtos e valores) diários, relatórios de vendas (produtos, valores, datas) por cliente são essenciais no primeiro momento. Sem isto, você tem a sensação se a empresa vai bem ou não mas não conhece a sua verdade. Consultores fazem um trabalho fantástico nas empresas porque analisam o Cadastro de Clientes e depois estudam os Relatórios de Vendas. Ali está o seu erro e o seu acerto, a sua mina de ouro! Sensação não é uma ferramenta válida para se encontrar a solução de crescimento. Sensação só é bom para ter a percepção do erro. O acerto está em sua base de dados, ali também o seu verdadeiro tesouro.

Ritmo: seu marketing pode acelerar tudo

O segundo aspecto é o ritmo. Quando você começa, a coisa vai lenta - abrir empresa, registrar a marca, conseguir um local para pelo menos identificar o endereço da empresa. Depois, você começa a tentar vender seu produto ou seu serviço. E tudo parece amarrado, difícil. Até que as coisas evoluem e o ritmo começa a melhorar. Neste ponto, considere a possibilidade de já iniciar com as coisas da burocracia (registros etc.) mas também marketing - uma logo, uma página no facebook, um site, um folder, ação nas redes sociais. Com isso, você rapidamente estará no movimento acelerado da dança. Sem isso, vai sofrer um pouco.

Anime-se. O brasileiro tem o empreendedorismo na veia. Quantas pesquisas no mundo todo falam sobre isso. E é um vendedor nato - não porque tenha as técnicas de venda mas porque é um entusiasmado pela vida, é emoção pura. Então, vá em frente, tenha convicção de que seu esforço vai valer a pena. Nós ficamos por aqui, dando as dicas de outras coisas importantes para você empreender com sucesso.

 

Categoria: Abrir Empresa
Comentários (0) e Compartilhar

O empreendedor individual

Publicado por Marilvia Oliveira em 27/12/2014 às 19h58

empreendedor protagonistaCARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Quer você seja um empresário, ou trabalhe em uma empresa, você é um empreendedor individual se tiver: 

  • projetos pessoais
  • garra para desenvolver trilhas e caminhos inovadores por sua própria conta
  • impulso para buscar o que deseja
  • ganas de chegar lá!

Em 2015, estas qualidades serão mais necessárias do que nunca. O ano estará meio tenso. O país ainda não tomou direção clara. O desafio é dar a direção à sua própria vida. Coisa típica do empreendedor individual.

NÃO É FÁCIL SER EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

O empreendedor individual deve ter uma energia de vida intensa. Aquilo que o pessoal chama de vibe.

Como ter uma fonte constante de vibe? Dizem que você é a média das pessoas que estão à sua volta. Então, cerque-se de pessoas inovadoras, arrojadas, empreendedoras. Se você desanimar, este pessoal te ajuda a ter pique novamente. Nós somos seres sociais - as pessoas podem nos colocar para baixo ou nos acionar, para o melhor de nós mesmos. Cerque-se destas últimas.

 

 

Teste de qualidade de seu networking

Com quem conviveu nos últimos dez dias? Eram pessoas de pique? Rola uma vibe interessante à volta delas? Você se sente energizado quando está com elas?

Se em dez dias a qualidade das pessoas à sua volta não foi boa, mude imediatamente seu ritmo e networking.

 

Desenvolva atividades físicas.

Elas não só colocam adrenalina no seu corpo mas fazem com que você desenvolva aquilo que se chama prontidão. Você, pronto(a) para a vida! O corpo é a porta de entrada de tudo que vem para nós. Se você está sem energia, sem preparo físico, nem vê as coisas passarem. Fica centrado em doenças, dores e outros problemas. Prepare o seu corpo para o sucesso assim como você prepara o seu espírito e a sua força intelectual.


O empreendedor individual é protagonista. 

empreendedor individual

 

Tenha autonomia. Não fique esperando que o outro autorize, que a empresa lhe dê retorno, que alguém lhe dê direção. A autonomia é irmã do protagonismo.

Se você, quando criança, foi muito obediente, tente exercitar autonomia em pequenas situações diárias. Até a forma como você entra no metrô ou toma um taxi? Você fica sentadinho sem interagir com o mundo à sua volta?

Se você tem autonomia mas não exerce, experimente ter uma atitude autônoma por dia. Vai ver que ela é altamente recompensadora. Aos poucos, você se acostumará cada vez mais a ter autonomia.

Preparado para o empreendedorismo individual?

Categoria: Empreendedorismo
Comentários (0) e Compartilhar

Último trimestre de 2014: promoções em clima de festa!

Publicado por Marilvia Oliveira em 23/10/2014 às 21h18

época de presentearO último trimestre de 2014 está sendo perverso pois, além dos feriados do período - Dia das Crianças, Dia da Consciência Negra e outros - entraram os turnos de eleição.

Pior fica ainda quando isto influencia o final de semana pois o sábado é a festa de tantos negócios do varejo.

Como é que devemos nos preparar para enfrentar este contexto?

1 - Administre "cada semana"

Não deixe que a 2a feira passe em branco, "organizando a mesa", "limpando a caixa de entrada do computador" e outras atividades que não revertem em vendas.

Acione sua equipe comercial já na 2a feira, logo cedo, para que criem um argumento do dia, para vender mais. Faça isto como uma atitude lúdica e envolva o pessoal. Qual o seu argumento hoje

Peça-lhes que já deixe organizada na 6a feira lista pedidos em aberto e telefonemas a dar para que na 2a feira o pessoal inicie o dia já com tarefas claras e atitudes assertivas no sentido de vender.

2 - Faça alguma ação na linha de campanha de incentivo a vendas

Em uma entrevista com um empresário de varejo, ele me contava que definiu meta para os vendedores e os prêmios eram gasolina para fim de semana na praia, um valor para comprar o camarão para o fim de semana, e outras coisas similares - divertidas, festivas, e que, não sendo valores altos, poderiam ser dadas como prêmios, independente do período mais difícil de vendas. A época de presentear está começando. Entre na onda e use isto a seu favor.

3 - Faça promoções pontuais

Escolha um produto de mais fácil venda e faça uma promoção. Incentive a sua equipe a oferecer o produto com argumentação diferenciada e a analisar que outro produto pode ser vendido em dobradinha que tanto realizará um bom faturamento quanto deixará o comprador feliz pela aquisição.

Lembre-se de que o marketing existe para estes momentos. Deixar de usá-lo porque a época está difícil é querer aumentar ainda mais esta dificuldade.

E mais um recado: o Natal está chegando. Assim que passar o 2o turno de eleição, inicie sua campanha de Natal. Então, qual vai ser o presente para o seu consumidor neste ano?

Ânimo! São momentos como estes que mostram sua força de empresário, sua criatividade e a sua energia positiva se transformando e ações que mobilizam os colaboradores e os clientes.

 

Lute com determinação, abrace a vida com paixão, perca com classe e vença com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante. Charles Chaplin

Categoria: Marketing, Vendas
Comentários (0) e Compartilhar

O defeso da sardinha

Publicado por Marílvia Oliveira em 22/06/2014 às 12h38

Em meados de junho, em plena Copa do Mundo, começa o defeso da sardinha em boa parte do litoral brasileiro. Este é o período em que ela não pode ser pescada. O defeso de verão, que começa em 1º de novembro, é para que ela se reproduza. E neste momento é o defeso do inverno, com o objetivo de que lhe seja permitido o crescimento até o tamanho certo para ser pescada. Já pensou se pudéssemos estabelecer um defeso para empresas iniciantes?

Sardinha é o peixe que mais se pesca no Brasil. Pescadores que pescam sardinha agora lemam multa e podem ser presos – 1 a 3 anos. Mas como fica o pescador, sem pescar? Se ele for cadastrado, através de associações e colônias, ele ganha um salário mínimo durante o período da proibição.

Você não tem este recurso de “defeso” para empresas iniciantes, a não ser nas incubadoras onde há toda uma assistência para que eles superem a fase inicial. No entanto, você pode cuidar de sua empresa com esta mesma atenção:

Defeso de inverno para empresas de 1 a 6 meses

Este defeso representaria não misturar suas necessidades pessoais com as da empresa, para ter clareza de como evolui seu faturamento no dia-a-dia, de como você pode ir criando a base para um relacionamento saudável com os bancos e de como você desenvolve controles para entender a dinâmica dos negócios em que está inserido. Digo “criando” porque, se você não tem uma assessoria, terá que ir aprendendo a sentir seu negócio e ir desenvolvendo os controles. Como é o seu faturamento diário? De que clientes, em que lugares, em que volume eles vem? Qual é o método/prazo de pagamento que eles usam? E assim por diante.

Defeso de verão para empresas de 7 a 18 meses

Nesta fase vale um olhar que se volte para dentro – ajustar produtos, entender bem o seu Mark-up para compor preços de produtos em kits/pacotes ou para compradores regulares, com um desconto interessante, a fim de fidelizá-los. Vale ainda o olhar para a concorrência, o que era quase impossível nos primeiros 6 meses porque você estava segurando as rédeas de um cavalo selvagem. Neste período de defeso de verão, a tendência é investir em coisas que parecem interessantes, sem pesquisar muito a fundo. Evite isso. Cada ação tem que ser pensada, calculada, analisada. Só tome decisões onde a relação custo/benefício seja bem clara. Sua empresa precisa desenvolver e crescer. O resto é conversa de pescador.

Ilustração

sardinhas desenhadas para festas de junho em Lisboa

Categoria: Abrir Empresa, Empreendedorismo, Incubadoras
Comentários (0) e Compartilhar

Fluxo dos negócios: uma nascente, um riacho... um rio largo!

Publicado por Marilvia Oliveira em 19/06/2014 às 11h31

As novas idéias devem ser alimentadas. Muitos novos negócios nas empresas nem sempre são vistos com bons olhos. As organizações tem uma tendência a rigidez, à manutenção da rotina. Uns dizem: sonhadores! Outros dizem: que perda de tempo. No entanto, os negócios tem um fluxo que começa com uma nascente. Não se deve secar a nascente, se a perspectiva de um grande rio é possível.

Um exemplo prático. Neste final de Copa, Putin estará no Brasil para receber a missão da Copa 2018 que estará em 11 cidades russas. No entanto no mesmo momento os países chamados Brics estarão se encontrando para negociações entre si. Alguns brincam dizendo que eles pensam em criar o selo Made by Brics. Os que brincam são aquele tipo que nas empresas dizem: que perda de tempo. Não é assim.

Em maio de 2014, os russos estiveram na área agrícola brasileira, para estabelecer uma forma de comercializar peixes com o Brasil. Foi a nascente. Chegaram a definir ofertas claras. O Brasil poderia importar salmão, arenque e bacalhau dos russos e estes, atum, lagosta, peixe espada,cavala, polvo, camarão, linguado do Brasil.

Como evoluiu esta nascente? Russos e brasileiros combinaram de assinar um documente de segurança alimentar – quem inspeciona o que, onde? Quando receber um produto do outro país, valerá a inspeção in loco ou uma certificação de órgão nacional? Boas discussões. A nascente começou a virar riacho quando se comprometeram a estabelecer um formato de abertura comercial. Já ocorrerá em julho, lá em Fortaleza, um novo passo neste sentido.

Quer imaginar o rio largo? O Brasil importa de Portugal e da Noruega. Do primeiro, nos chega o excedente de importação de bacalhau e da Noruega nos vem direto 10 mil ton/ano de bacalhau. Vai levar um tempo para os russos substituírem todo este movimento mas podem chegar lá. Para eles interessa por exemplo a tilápia, além dos que já citamos. Eles importam tilápia da China e não estão satisfeitos com o teor de produtos químicos e com a poluição do país fornecedor.

É muito dinâmico, curioso e bem interessante acompanhar os novos fluxos de negócios, começando da nascente. Isto anima o empreendedor brasileiro. Quer ver uma oportunidade? Um dos entraves neste comércio é não existir empresa brasileira ou russa certificada para fazer este abastecimento de mercado. Quem se candidata a se certificar para operar neste trade entre dois países imensos?

rio caudaloso

Categoria: Empreendedorismo, Idéia de Negócio
Comentários (0) e Compartilhar

Estaremos aprendendo a poupar?

Publicado por Marilvia Oliveira em 12/01/2014 às 16h15

Blogs sobre como ficar ricos e similares estão começando um movimento interessante que é mostrar a importância de poupar. Neste momento, vejo circulando na internet a proposta de poupar o valor equivalente ao número de cada semana em 2014. É uma forma lúdica e realmente pode envolver as pessoas em um movimento interessante.

Lógico que se achar pouco, use um multiplicador e aplique o que der na conta.

Que novas idéias, como esta, surjam para estimular o brasileiro a poupar. Vejo que, ao se desejar abrir uma empresa, a pessoa aplica uma energia enorme buscando fontes externas de recursos mas não faz o mesmo movimento na direção de formar sua própria poupança. Não nos esqueçamos: a base de se montar uma empresa é ter capital. Se ele for nosso e não de terceiros, melhor ainda.

Veja a seguir o Desafio de 52 semanas para poupar dinheiro. Na semana 3, poupe 3 reais, e assim por diante.

Categoria: Abrir Empresa, Empreendedorismo
Comentários (0) e Compartilhar

Lista de desejos do empreendedor

Publicado por Marilvia Oliveira em 01/01/2014 às 14h57

Quem não fez ontem - passagem do ano - está tentando fazer hoje, a lista de desejos para o novo ano.

Se não fez nem está fazendo, seria bom reconsiderar - a lista de desejos para o ano funciona tão bem como o plano de negócios ao abrir uma empresa. Dá uma direção emocional e racional a nossa energia empreendedora.

Lógico que antecede à lista de desejos, você ter um plano de negócios claro.

Um empreendimento precisa estar rodando sobre bases claras para que o trabalho de cada dia tenha um vetor preciso, caminhando para objetivos bem definidos.

Mas... quando desejamos algo nem sempre acontece, não é? Existem algumas causas interessantes de lembrarmos:

- desejamos mas não fazemos nada na direção do que sonhamos;

- ou desejamos mas os outros nos atrapalham - daí a importância daquele ditado "diz com quem andas...";

- e  há um terceiro aspecto que é desejar coisas que não são condizentes com o nosso tipo de energia naquele ano, ou com nossa faixa etária.

 

Sobre o motivo das coisas funcionarem ou não este último aspecto, retomamos a série que escrevemos sobre a Idade de Empreender. Leia no item de sua faixa etária para se conhecer melhor e na faixa etária de seu sócio, para compreender porque ele atua de uma determinada maneira. Se você estiver no limite inicial ou final de uma faixa, leia também a faixa anterior e posterior pois as faixas se estendem em função da história de vida de cada um.

Idade de Empreender

- dos 21 aos 28 anos

- dos 29 aos 32 anos

- dos 32 aos 36 anos

- dos 37 aos 45 anos

- dos 46 aos 60 anos

 

 

Categoria: Abrir Empresa, Empreendedorismo
Comentários (0) e Compartilhar

O efeito Inovação

Publicado por Marilvia Oliveira em 29/12/2013 às 17h03

Durante décadas, vivemos sob a  premissa de que a inovação é o que  pode fazer sua empresa crescer e você se destacar nas multidões. Sem dúvida  a inovação continua sendo relevante. No entanto, David Kirkpatrick, autor do Efeito Facebook, traz agora uma ampla discussão sobre inovação, especialmente na tecnologia, lembrando que a inovação tecnológica não é mais privilégio do Vale do Silício, mas está espraiada pelo mundo todo.

Ele cita Beirute, no Líbano, como um dos centros de inovação. Quem diria?

O SitePx - start-up que democratizou a criação de blogs, oferecendo uma tecnologia muito simples para design, trabalho com SEO e outros aspectos da produção eficaz de sites, internalizou esta realidade com profunda clareza. Sua tecnologia é de ponta, sua segurança é máxima, e seu preço é absolutamente acessível. 

No momento em que você não pode mais fazer da sua inovação um fator de preço altíssimo porque a inovação está se democratizando, entre na onda, abaixe os preços e ofereça o máximo de tecnologia disponível.

Categoria: Tecnologia
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR|left tsN fwR uppercase fsN|left show fwR fsN uppercase|bnull|||news normalcase c10|fsN fwR c10 normalcase|normalcase c10|news login fwR c10 normalcase|tsN fwR c10 normalcase|fwR normalcase c10|||